1-Hyperloop
O transporte do futuro
E se lhe disséssemos que num futuro próximo poderá fazer Lisboa-Madrid em 30 minutos e Dubai-Abu Dhabi em 12? Certo dia, Elon Musk estava preso num trânsito infernal e começou a sonhar com uma forma de transporte de alta velocidade que não dependesse de nenhum destes fatores. Foi assim que nasceu a ideia para o Hyperloop one. Quando Josh Giegel e Shervin Pishevar, cofundadores, apresentaram o projeto pela primeira vez, ninguém quis acreditar. Contudo, a mudança está finalmente a chegar: os testes começarão “ à séria” já em 2017 e podemos estar a menos de 5 anos do primeiro hyperloop 100% funcional. Os dois co-fundadores deste projeto audaz estiveram no último dia do Web summit, fazendo parte da última conferência no MEO Arena. O melhor ficou mesmo para o fim. O hyperloop poderá percorrer uma distância de 600 km em meia hora e atingir os 1.220 km por hora.

Você viajaria dentro de um tubo destes? A velocidade de 1200 km por hora é interessante hein?

2- Inteligência artificial
Eles podem salvar o mundo
A Sophia nasceu este ano, é robot e veio ilustrar a visão da Hansen Robotics para o futuro. Um dos principais objetivos da marca é construir robots que simulem os seres humanos nas suas expressões e emoções. “A Sophia consegue olhar as pessoas nos olhos” afirma Ben Goertzel, cientista chefe da Hansen, que a acompanhou no palco do Web Summit. Goertzel partilhou a sua visão em relação ao futuro da robótica: “Os seres humanos e os robots podem aprender uns com os outros”. O cientista acredita que os robots serão cidadãos, afirmando que ainda se vai falar em igualdade de direitos. O progresso é inevitável, assegura Goertzel: “É como os computadores nos anos 1980, sabemos que vai impactar todas as áreas”.

3- Kubo
O robot educacional
Esta startup dinamarquesa propõe ensinar programação a crianças, desde muito peque-ninas. A Kubo foi a startup vencedora na categoria de pitch no Web Summit deste ano e vai receber 100 mil euros de investimento para poder colocar no mercado já em 2017 os seus ajudantes robóticos. Tudo começou como um projeto do Laboratório de Tecnologia Social da Universidade da Dinamarca do Sul com o objetivo de desenvolver novas formas de ensinar tecnologia às crianças mais jovens. O resultado tem sido muito mais abrangente e promete revolucionar os programadores do futuro.

4- Yubuy
Encomende pizzas na televisão
Esta startup lisboeta promete o que muitos de nós desejamos no limiar da preguiça: encomendar refeições diretamente da televisão lá de casa. Encomendar uma pizza ou comprar qualquer produto estará agora à distância de um simples clique no comando da televisão. Esta startup, fundada em julho de 2015, integra o e-commerce na experiência diária de televisão do utilizador e já tem parcerias com a Vodafone, MEO, NOS e a Samsung. Segundo os responsáveis do projeto, o objetivo é consolidar a plataforma de t-commerce, lançando novas t-stores. Queremos esta solução aplicada a comida saudável!

Pedir pizza através da tv parece coisa de um futuro muito distante né? Mas não logo logo estará na sua tela!

5- Dream football
Futebol e empreendedorismo
O Dream Football é um portal que trabalha tanto com futuros talentos do futebol como com clubes e marcas que queiram apostar nas camadas jovens. O funcionamento é simples: tudo o que precisa é de um telefone ou uma câmara que possa filmar o que os seus pés fazem com uma bola. Depois, basta fazer o upload do vídeo no site e esperar para que seja “descoberto”. Existem várias equipas que têm acordos com a plataforma e que assim recrutam vários talentos para treinos oficiais e quem sabe integrar os clubes. O objetivo é minimzar a distância entre potenciais jogadores e potenciais clubes.

6- Realidade virtual
Viaje para qualquer lado do mundo sem sair da cadeira
A realidade virtual é um tema muito presente em todos os eventos tecnológicos. Marcas como o Facebook ou até a NOS já estão a investir em plataformas de realidade virtual para um futuro ainda a médio prazo. O que promete? Através de um equipamento que se terá em casa, como uns óculos, poderemos entrar num mundo virtual onde pode falar com outros utilizadores, deslocar-se para sítios e jogar como se da sua vida se tratasse. Ou até ver como está o seu cão em casa. No entanto, como várias empresas revelaram, estas tecnologias ainda estão numa fase muito inicial, daí ser difícil de prever até onde poderão chegar.

7- Codacy 
O gigante português
Foi em novembro de 2014 que esta startup portuguesa ganhou o prémio de melhor startup no Web Summit de Dublin. Dois anos depois, a Codacy tem milhares de utilizadores em 1.814 cidades do mundo e recebem centenas de contatos diários por parte de novos clientes. O objetivo da aplicação é bastante simples: encontrar erros de software para ajudar os programadores a trabalharem com mais eficiência. Ainda que para o utilizador comum da Internet pareça irrelevante, fique a saber que tudo o que vê no mundo digital é disseminado e criado através de código. Assim, um software que facilite o árduo trabalho de “codar”, é quase como que um milagre da maternidade. E é português.

8- Mapwize
Edifícios do futuro inteligentes
Já se perdeu alguma vez no interior de um edifício? Com certeza que sim. A MapWize é uma plataforma de indoor mapping, criada em França e nos Estados Unidos, que significa literalmente mapear o interior do edifício, fornecendo aos utilizadores mapas em tempo real e todas as indicações georreferenciadas. Atualmente, a plataforma gere mais de um milhão de metros quadrados de interiores de edifícios na Europa e EUA. Com os objetos que nos rodeiam a tornarem-se cada vez mais “inteligentes”, o futuro será pautado por uma interligação e interconectividade entre dispositivos, objetivos, mapas e edifícios.

9- WiiGO
A assistência para os mais velhos
A empresa portuguesa Follow Inspiration apresentou o robot wiiGO, concebido para ajudar pessoas com mobilidade reduzida. “É um carrinho de compras completamente autónomo desenhado para seguir uma pessoa com mobilidade reduzida, ajudando-a dessa forma a transportar os seus produtos dentro de uma superfície comercial”, afirmou Luís de Matos, presidente da empresa Follow Inspiration. Embora possa ser utilizado por qualquer pessoa, neste momento o seu principal objetivo é auxiliar a pessoa com mobilidade reduzida no transporte das suas compras, devido à impossibilidade das mesmas em empurrar um carrinho de compras em simultâneo com uma cadeira de rodas, por exemplo.

10- Carros autónomos 
O futuro foi ontem
Carlos Ghosn, presidente executivo do grupo Renault-Nissan, apontou os carros autónomos como uma tendência já daqui a dez anos, contando que há um potencial tremendo. Já Elmar Frickenstein, um dos principais responsáveis pelo projeto de condução autónoma da marca alemã BMW, veio ao Web Summit frisar a importância deste caminho, bem como a necessidade da ajuda de todos os empreendedores e pessoas ligadas à tecnologia: “Vai ser possível fazer centenas de quilómetros em modo totalmente autónomo, em que poderá dormir e descansar, partilhar vídeos, assistir a filmes…”. Um dia comum do futuro começará com o veículo a vir ter connosco, autonoma-mente, e a levar-nos onde precisarmos de ir.

Este carro da BMW não tem volante. Carros automáticos e sem volantes você confia?

Cadu Burko